Carnaval Mitológico

Filipe Smidt Nunes

É fevereiro no Olimpo e Baco não dá conta da produção do álcool consumido.

O Minotauro se perde no labirinto de ruas buscando virgens para saciar sua vontade.

Ícaro, ao chão, deixa suas asas de lado depois de encontrar uma pedra em chamas muito mais fascinante que o sol.

Cérbero se sente um chihuahua ao olhar-se no espelho, postando-se na entrada de inferninhos, onde as almas entram em busca da perdição.

Milhares de pessoas petrificadas veem Medusa no sambódromo, enquanto Perseu, com o canto do olho pelo espelho de bolso, planeja matá-la por roubar seu estrelato.

Hércules, ensopado de suor, faz hora extra ao sustentar o mundo, já que Atlas desistiu de cumprir sua promessa, deixando para finalizar o décimo primeiro trabalho depois do feriadão.

Nessa festa, Orfeu demorou menos de três horas para esquecer Eurídice.

 

voltar para página do autor