Cursos de Escrita Online
Capa | Quem Somos | Cursos e Oficinas | Como publicar | Bate-papo com escritores | Contato
catálogo Narrativa Longa | Narrativa Curta | Poesia | Infantojuvenil | Acadêmicos | Para Escritores | Completo

Metamorfoses

Lançamento Coletivo de Livros da Editora Metamorfose

A Metamorfose Editora convida para a sessão de autógrafos que realizará no dia 09 de julho, sábado, em sua sede localizada no bairro Menino Deus. Será uma oportunidade de conhecer nossos autores que estarão reunidos em uma tarde para comemorar os lançamentos dos livros editados entre segundo semestre de 2015 e o primeiro de 2016.

Participam da primeira sessão de autógrafos, que será realizada entre 15h e 17h os seguintes autores: 

> A microjornada do herói, Jairo Back (minicontos)

Microconto lembra-me um dragster que deve chegar aos 500 km/h em 8 ou 9 segundos: é toda força possível num instante. Passados os poucos segundo das poucas palavras, nada pode restar para ser dito. Por isso microconto não é para contemplação, é para causar impacto, destruir, indignar, exorcizar males, divertir.


> O legado, Jacira Fagundes(contos)

Jacira Fagundes volta ao gênero da literatura fantástica nesta coleção de contos de "O legado - as fantásticas histórias de J. Corellon".
As histórias aqui narradas prometem levar o leitor a percorrer um caminho fascinante e inexplicável e aproximá-lo de suas próprias incertezas. 


> Um continho de Natal, Cláudia de Villar(infantil)

Quem de nós não se encanta com as luzes do Natal? Quem nunca fez um pedido ao Papai Noel? Natal tem um gostinho de carinho, aconchego, amor ao próximo e união. Porém, nem sempre é assim, ainda encontramos mãos estendidas e corações vazios nessa data. Nesta história, Bianca é uma girafinha que está à procura do segredo do Natal, e sua busca sem dúvidas vai resgatar este sentimento nas crianças de todas as idades.

> Era Outra Vez, Zéh Henrique (juvenil)

"– Parece que o mundo se perdeu mesmo. Mas o que isso tem a ver com este livro? Nele conta a história do mundo?
– Não é a história do mundo. Mas como lhe falei, a infância foi perdida, os valores mudaram e hoje o que importa é sempre o futuro, o que vou ser, o que vou ganhar. Por causa disso, este livro ficou sem história. Os personagens, as aventuras e as histórias que estavam aqui saíram, foram para o mundo, já que ninguém mais lia este livro porque não acreditava mais em sonhos."

> Yossef, o judeu errado, José Carlos Laitano(narrativa longa)

Yossef, o judeu errado, de José Carlos Laitano, vale como narrativa, como ficção com personagens, situações, conflitos, paisagem. 
O narrador mantém uma perspectiva realista e racionalista sobre um problema histórico de fundo religioso e mítico; há uma reinvenção, reinterpretação de um assunto milenar, marcando inclusive os contrastes sociais, econômicos e políticos de um período importante da história, a ponto de fazer inevitável comparação com o que ocorre hoje. Curioso é que li A Obra em Negro, de Marguerite Yourcenar, um trabalho admirável sobre o terreno movediço da Idade Média em trânsito para a Renascença. Por que me lembrei de Yourcenar? As épocas são outras, mas ambos os trabalhos buscam recuperar, reavaliar e reinventar o passado e trazê-lo para perto da gente. 
Há ideias preciosas sobre guerra, hostilidade, justiça, machismo, sonho, amor – questões universais, milenares e modernas. E o livro cresce nas últimas cenas e fecha muito bem. (Carlos Jorge Appel)

> A lua e as duas estrelas, Miriam Ribeiro Taurines(narrativa longa)

Nesta bela história, Miriam Ribeiro Taurines conta a história de Eva Levi, cuja família foi retirada de sua residência pelos nazistas para ser encaminhada a um campo de concentração. Na fila para os registros, um homem, senhor Hans Schneider, convida Eva para partir ao Brasil para trabalhar em sua residência, e os pais, vendo uma chance para Eva sobreviver ao horror nazista, imploram para ela partir. No Brasil, porém, Eva é apresentada como esposa de Hans e é submetida a uma vida de sofrimento, tortura física e psicológica, obrigada a esconder sua origem.
Porém anos depois, em 1955, Eva recebe uma carta de seu pai, o qual havia sobrevivido e morava em Israel. Era uma chance de uma nova vida na Terra Prometida, mas como fugir de um homem tirano e poderoso? 
Ela então pede auxílio ao padre Sasha Moransky, judeu-russo convertido ao catolicismo. Na jornada pela liberdade de Eva e seu filho, surge ainda o muçulmano Mohammed Ali Yasin. Juntos, os três aprenderão sobre amor, tolerância e humanidade.

> Prisioneiro das Amazonas, Helio Henrich (narrativa longa)

O mundo pretensamente civilizado desde que chegou ao Brasil se surpreende com os povos indígenas, seus enigmas e suas lendas. O eterno desconhecido ressurge ao simplesmente mencionarmos os nomes Amazonas, Nhamundá, Manohá, Omagua ou a busca do Eldorado e nos faz sonhar.

Somam-se a estes, os rastros das trilhas dos Vikings desde a Cordilheira dos Andes até o Piauí ou as famosas inscrições rúnicas da Pedra da Gávea no Rio, em cuja parede norte se distingue um rosto humano barbudo, enquanto no capacete de pedra existem inscrições feitas provavelmente por mãos fenícias.

Na minha leitura da juventude, alimentei a curiosidade sobre aquelas mulheres guerreiras da antiguidade que queimavam um dos seios para melhor manejarem seus arcos e com as flechas certeiras, recheadas do venenoso curare, eliminarem seus inimigos. 

Frei Gaspar de Carvajal, ao escrever sobre as peripécias da expedição do zarolho Francisco de Orellana em 1542, conta que interrogou um velho índio de nome Apária sobre estas fantásticas mulheres brasileiras. Após o ataque destas misteriosas índias muito brancas, altas e musculosas, os cabelos trançados e enrolados na cabeça, as vergonhas cobertas, Orellana pediu aos cartógrafos que o nome do grande Maranhon fosse mudado para Rio das Amazonas. 

Estas narrativas soaram como desafio, unindo meus neurônios num só, deixando-me a cada dia que passa mais sedento de aventuras, produzindo uma cascata de sonhos presente desde aqueles tenros anos, ancorada nas selvas da minha juventude.

As misteriosas mulheres, as icamiabas, lideradas por uma senhora de nome Comõri, exercendo extraordinários poderes xamãnicos já estavam aqui na nossa floresta amazônica. Os Muiraquitãns, amuletos de pedra jade com que premiam os guerreiros geradores de suas “filhas”, oferecem em rituais sexuais aos homens escolhidos seus dotes femininos. Simples mulheres selvagens, quase feras, capazes de amar secretamente os homens, a prole ou odiá-los, além de serem mães exemplares num mundo para nós incompreendido e cruel.

 

Na segunda parte da tarde, entre as17h e às 19h teremos o lançamento coletivo -  Metamorfoses, contos -  que tem como autores os alunos da primeira turma do Curso de Formação de Escritores realizado pela Metamorfose Cursos:André Hofmeister, Bruna Brönstrup, Carlos Leão, Cláudia de Villar, Dionathas Boenavides, Eduardo Seibel, Gilmar Delvan, Gilson Corrêa, Jane Ulbrich, José Elesban Rodrigues, Josi Dallagnese, Kátia Regina Souza, Léo Ustárroz, Lucas de Melo Bonez, Marcelo Spalding (org.), Maria Rosa Fontebasso, Maurícia Mees, Nei Rafael Filho, Nina Gozzoli, Patrícia da Fonseca, Pedro Oliveira Barbosa, Ramon Steffen, Regina Celia Campana e William Boenavides (org.).

Nos contos reunidos nesta coletânea os autores e autoras também foram desafiados a criar as suas ficções a partir da frase de abertura de “A Metamorfose”, que vem encantando e fisgando gerações de leitores há mais de cem anos. Eles tiveram que mergulhar no seu próprio sonho kafkiano, e libertar, resgatar, um Outro, um personagem. Um personagem até então resguardado no oculto dos desejos, no reprimido das fantasias, nos limites das tensões, no tragicômico do cotidiano, e realizar a catarse dos sentimentos através da arte literária.

Acompanhe o evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1750418668560967

Editora Metamorfose foi criada em 2015 em Porto Alegre, RS, para a publicação de livros nas áreas de artes e humanidades, como livros de literatura, livros didáticos, paradidáticos e acadêmicos.

Além da publicação de livros impressos e digitais, a Editora Metamorfose busca incentivar a leitura e a escrita, desenvolvendo cursos para escritores, oficinas de criação literária e projetos para escolas e municípios.

Dentre nossos cursos, destaca-se o Curso Livre de Formação de Escritores, desenvolvido em parceria com a Metamorfose Cursos. O Curso Livre de Formação de Escritores é um conjunto de cursos ou oficinas que abordam aspectos estéticos, teóricos e comerciais da vida literária e tem como trabalho final a possibilidade de publicação de um livro impresso individual para cada participante.

 

Serviço:

O que? Lançamento Coletivo da Metamorfose Editora

Quando? 09 de julho, sábado

Hora?
SESSÕES DE AUTÓGRAFOS DAS 15 ÀS 17 HORAS
> A microjornada do herói, Jairo Back (minicontos)
> O legado, Jacira Fagundes (contos)
> Um continho de Natal, Cláudia de Villar (infantil)
> Era Outra Vez, Zéh Henrique (juvenil)
> Yossef, o judeu errado, José Carlos Laitano (narrativa longa)
> A lua e as duas estrelas, Miriam Ribeiro Taurines (narrativa longa)
> Prisioneiro das Amazonas, Helio Henrich (narrativa longa)

SESSÕES DE AUTÓGRAFOS DAS 17 ÀS 19 HORAS

> Metamorfoses, contos

Com André Hofmeister, Bruna Brönstrup
Carlos Leão, Cláudia de Villar, Dionathas Boenavides, Eduardo Seibel, Gilmar Delvan, Gilson Corrêa, Jane Ulbrich, José Elesban Rodrigues, Josi Dallagnese, Kátia Regina Souza, Léo Ustárroz, Lucas de Melo Bonez, Marcelo Spalding (org.), Maria Rosa Fontebasso, Maurícia Mees, Nei Rafael Filho, Nina Gozzoli, Patrícia da Fonseca, Pedro Oliveira Barbosa, Ramon Steffen, Regina Celia Campana e William Boenavides (org.).


Onde? Metamorfose Cursos e Editora – Av. Getúlio Vargas, 1691 – térreo (informações de localização: http://www.editorametamorfose.com.br/espaco.php)


14/06/2016

Editora Metamorfose
Av. Getúlio Vargas, 1691/404
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
contato@editorametamorfose.com.br

você encontra
nossos livros na
associada da

Conheça também: Metamorfose Cursos | Metamorfose Agencia Digital (sites para escritores)